Composto é pesquisado no Instituto de Química de São Carlos

A Universidade de São Paulo (USP) desenvolveu um composto derivado do bagaço de cana que pode substituir o petróleo na fabricação de plásticos. A pesquisa é do professor do Instituto de Química de São Carlos Antonio Burtoloso. “A gente construiu uma molécula interessante, que é um poliol, que são muito utilizados para fazer alguns tipos de plásticos”, explicou o pesquisador.

A substância é, segundo Burtoloso, semelhante a usada para elaborar plásticos como os usados em painel de carro ou alguns tipos de espuma dura. Para testar as possibilidades de uso prático, no entanto, o pesquisador está buscando parcerias com a indústria. “É um trabalho que está bem no início, eu estou tentando firmar parcerias para a construção desse tipo de material”, disse.

O trabalho busca alternativas ao petróleo na fabricação desse tipo de material. “Ao invés da gente construir moléculas de fontes de carbono, que não são renováveis, como é o caso hoje em dia, em que quase 100% vem do petróleo, o que agente fez foi usar outra fonte de carbono, que é a biomassa”, resume sobre os objetivos da pesquisa. Os resultados foram publicados na revista científica britânica Green Chemistry.

A matéria-prima investigada no estudo existe em abundância no país. Segundo pesquisa divulgada em 2017 pelo Instituto de Economia Agrícola citada pelo professor, o Brasil gerou cerca de 166 milhões de toneladas de bagaço de cana-de-açúcar na safra 2015/16.

É necessário ainda um grande período de desenvolvimento para que a molécula possa chegar ao mercado na forma de materiais acabados. “Eu não veria algo desse tipo virar um produto para o consumidor antes de cinco anos”, estima Burtoloso.

Apenas após os testes industriais será possível determinar os custos para a produção em escala de materiais derivados da nova molécula ou o tempo para que esses itens se decomporem quando descartados. “Uma vez demonstrado que esse material é interessante como substituto dos plásticos atuais, teria que ser feito todo o estudo de degradação”, explica o pesquisador sobre as etapas do trabalho.

Fonte: Agência Brasil


Praticar atividade física com vídeos da internet pode causar graves

Vídeos que circulam pela internet são alternativas “fáceis” e baratas Cada dia mais comum no ambiente virtual, aplicativos, blogs e vídeos

Saiba quais são os fenômenos astronômicos previstos para 2020

Calendário prevê eclipses solares, lunares e chuvas de meteoros Os fenômenos astronômicos previstos para 2020 vão além da Superlua deste

Curso de faculdade para formar youtuber inicia no Brasil; Saiba mais

Proposta é capacitar influenciadores digitais que querem trabalhar com a plataforma de vídeos. Aulas abordam também legislação, finanças e

Escolas brasileiras começam a atuar no modelo cívico-militar

Ainda em fase piloto, até 2023 aproximadamente 216 escolas deverão ser cívico-militares Visando contribuir para a evasão escolar crescente no

Estudantes podem representar o Brasil em olimpíada de Astronomia,

Inscrições para a 23ª Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica estão abertas Estudantes dos ensinos fundamental e médio de escolas

Doutorado para brasileiros nos Estados Unidos é possível pela Capes

Interessados podem se inscrever até 11 de março A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), juntamente com o

Curso gratuito capacita professores para alfabetizar alunos com

Aulas serão ministradas de maio a outubro de 2020 Uma iniciativa da parceria do Ministério da Educação (MEC) com a Universidade Federal de São

Lista de selecionados do Prouni 2020 está disponível para consulta

Confira o cronograma e não perca os prazos Os candidatos inscritos no Programa Universidade para Todos (ProUni) já podem consultar a lista de

Primeiro dia do ano letivo é iniciado na primeira Escola com Regime

Teixeira de Freitas: Iniciado nesta sexta-feira (31 de janeiro), o ano letivo da rede municipal de Teixeira de Freitas chega com novidades.

Pesquisadores mostram desafios no ensino de inglês

No Brasil, só 10,3% dos jovens de 18 a 24 anos dizem saber o idioma Formar melhor os professores e definir formas de ensinar que sejam mais

Nossos Apoiadores: