O governo federal encaminhará, em breve, ao Congresso Nacional, uma proposta de mudança nas regras de financiamento do ensino básico. Hoje (9), ao apresentar as realizações do Ministério da Educação (MEC) em 2019, o ministro Abraham Weintraub disse que o governo não desistiu de ver aprovada sua própria proposta de aumento da contribuição da União para o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).

O debate sobre transformar o fundo, com previsão para ser extinto este ano, em permanente, e de elevar, gradualmente, o percentual de recursos repassados pela União, já ocorre na Câmara dos Deputados, onde uma comissão especial foi criada para discutir a PEC 15/2015, e também no Senado, onde tramita a PEC 33/2019. Além disso, o próprio ministro da Educação defende a proposta do governo.

“Ao longo deste ano [2019], tentamos colocar o novo Fundeb com propostas que acreditamos pertinentes. Infelizmente, não andou na direção e na velocidade que queríamos. Diante desse quadro, estamos encaminhando [ao Congresso] uma PEC [Proposta de Emenda Constitucional]”, disse Weintraub.

O governo federal discorda da minuta que a relatora do projeto que tramita em comissão especial na Câmara, deputada federal Professora Dorinha (DEM-TO), apresentou em setembro de 2019. No texto, a relatora propôs que o percentual da contribuição da União para o Fundeb passe dos atuais 10% para 15% em 2021, com acréscimos anuais de 2,5 pontos percentuais até chegar a 40% em 2031. Já o ministro Abraham Weintraub defende que o percentual dos recursos que a União repassa a estados e municípios aumente dos atuais 10% para 15%.

“É um aumento expressivo. Além de aumentar o volume de recursos, cobraremos resultados para receber esses recursos. Estados e municípios terão que adotar critérios de desempenho e mostrar resultados”, disse Weintraub.

Fundeb

Criado em 2006, para vigorar até 2020, o Fundeb é, hoje, a principal fonte de financiamento da educação básica, respondendo por mais de 60% do financiamento de todo ensino básico do país. Os recursos provém de impostos e transferências da União, estados e municípios.

Em 2019, só a União destinou R$ 14,3 bilhões aos estados. Dados da comissão especial criada pela Câmara dos Deputados para discutir a PEC 15/2015, apontam que, caso a proposta de ampliar a participação da União dos atuais 10% para 40% em 2031 seja aprovada, o impacto orçamentário da mudança será da ordem de R$ 279,8 bilhões.

Pisa

O ministro Weintraub disse que a meta da pasta é fazer com que o Brasil avance no ranking do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa), índice que avalia o nível da educação básica no mundo.

“Esperamos tirar o Brasil da última posição na América do Sul e colocar ele, até 2030, na primeira posição. Sendo que esperamos já ter resultados no próximo Pisa. E este ano vão aparecer muito mais resultados. Vai aparecer rápido. Já no primeiro trimestre vai ter muito mais números mostrando melhoras”.

Em 2018, o Pisa foi aplicado para 600 mil estudantes de 79 países e regiões. O Brasil, onde cerca de 10,7 mil estudantes de 638 escolas fizeram as provas, obteve, em média, 413 pontos em leitura, 384 pontos em matemática e 404 pontos em ciências. Na avaliação anterior, aplicada em 2015, o Brasil obteve, 407 em leitura, 377 em matemática e 401 em ciências. Apesar da pequena melhora nas pontuações, o resultado revelou que apenas dois de cada 100 estudantes brasileiros atingiram os melhores desempenhos em, pelo menos, uma das disciplinas avaliadas. Além disso, o Brasil ficou abaixo das médias dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

"Vamos sair da última posição da América do Sul. O fundo do poço foi 2018", garantiu o ministro.

Fonte: Agência Brasil

Coronavírus: pesquisadores estudam nova forma de testagem rápida

Estudo que envolve brasileiros visa adaptar caneta que detecta câncer Um estudo visa adaptar uma caneta que detecta câncer para identificar

EAD: saiba quais cursos não podem ser feitos a distância

Embora modalidade cresça no Brasil, alguns cursos ainda não são ofertados em EAD A Educação a distância (EAD) tem se destacado por ofertar

Saiba como conciliar teoria e prática nos estudos em casa

Estudar em casa na modalidade a distância requer muita disciplina, já que a flexibilidade nos horários de estudo pode fazer com que o estudante

Pais acreditam que qualidade do ensino caiu na pandemia

Levantamento do DataSenado ouviu 2,4 mil brasileiros no fim de julho Pesquisa do Instituto DataSenado divulgada nesta quarta-feira (12) aponta

Creche Isael de Freitas Correia é entregue pela PMTF no Bairro João

Teixeira de Freitas: Foi entregue nesta quarta-feira (12), o Centro Municipal de Educação Infantil Isael de Freitas Correia (CMEI). A Creche

Extinção da meia-entrada nos cinemas pode prejudicar estudantes

A medida apoiada diretamente pelo Ministério da Economia põe em risco o acesso de estudantes à cultura, segundo o presidente da União Nacional

Instituto Legado seleciona mulheres negras para bolsas em curso MBA

Edital está aberto; as vagas são para formação EAD Em parceria com a Universidade Positivo, o Instituto Legado selecionará três mulheres

Usuários do Fies podem pedir suspensão das parcelas 

Solicitação já pode ser feita por quem estava com os pagamentos em dia. Alunos com atraso devem aguardar. Autor do PL esclarece as principais

Cursos de qualificação profissional têm alta demanda na pandemia

Senai registrou mais de 1 milhão de matrículas em plataforma online A procura por cursos de educação a distância tem aumentado durante a

Escolas municipais do país podem perder até R$ 31bi do orçamento

A estimativa é do movimento Todos pela Educação e do Instituto Unibanco em razão da previsão de uma arrecadação de impostos menor por causa da

Nossos Apoiadores: